Blog
Inicio > Foreigners on the Camino > Segurança nos albergues do Caminho de Santiago depois da Covid-19

Segurança nos albergues do Caminho de Santiago depois da Covid-19

Segurança nos albergues do Caminho de Santiago depois da Covid-19
11-05-2020

Como será o Caminho de Santiago depois da crise do coronavírus? Necessitamos ainda de respostas mas é certo que vamos desfrutar mais de sua gente, de suas paisagens e de seus lugares. Estamos convencidos de que o Caminho de Santiago será ainda mais seguro. Nisso, estão trabalhando os albergues das Rutas Jacobeas, com o objetivo de transformar-se em "albergues seguros" para o peregrino.

O governo da Espanha e suas comunidades autônomas estão trabalhando na implementação de um protocolo sanitário único no combate à Covid-19 que permita a reabertura dos albergues, evitando o contágio dos seus usuários ao mesmo tempo em que protege sua equipe.

Por isso, o Instituto para la Calidad Turística Española (ICTE) elaborou um guia com medidas para a redução do contágio por coronavírus nos albergues e hostels da Espanha. Esse documento não se refere especificamente aos albergues do Caminho de Santiago mas nos dá uma ideia de como será hospedar-se no Caminho depois do coronavírus. Resumimos algumas das recomendações que reúne e que nos permitirá voltar seguros às Rutas Jacobeas.

Medidas Gerais de proteção no albergue


Os albergues deverão implementar um plano de contingência para evitar o contágio por coronavirus entre hospitaleiros e peregrinos. Estes protocolos, que cada alojamento desenhará segundo as suas necessidades, deverão cumprir uma série de medidas de segurança básicas que resumimos em três pontos.

  1. Garantir a distância de segurança. Recomenda-se garantir a distância mínima estabelecida (1,5 – 2 metros) entre os funcionários, clientes e funcionários-clientes, redistribuindo os espaços das instalações e organizando a circulação de pessoas. Será estabelecido um controle de capacidade máxima se for necessário.
  2. Lavagem das mãos e medidas de proteção individual. Os alojamentos deverão organizar turnos da equipe para garantir a distância de segurança, distribuir os equipamentos de proteção individual necessários (luvas e máscaras, por exemplo) e promover uma correta lavagem das mãos. Em todos os ambientes serão fornecidos soluções hidroalcoólicas para os clientes.
  3. Correta ventilação e desinfecção. As frequências de limpeza e desinfecção serão ampliadas, principalmente nas áreas de uso compartilhado, chuveiros e banheiros; bem como nas áreas de maior contato (superfícies, botões, torneiras, chaves / cartões...). Além disso, deve-se garantir uma ventilação adequada em todas as áreas do albergue.

O ICTE destaca, também, uma série de medidas mais específicas para cada uma das áreas que existem em um albergue.

Recordamos que a capacidade destes locais durante a reabertura será limitada de acordo com a fase em que se encontra cada localidade. Nas províncias com melhores condições, a capacidade máxima será, em qualquer caso, de 50%. A abertura das áreas comuns está condicionada também à mudança de fase de cada localidade. Você pode consultar toda a informação sobre a reabertura no nosso artigo O Caminho de Santiago e o coronavírus.

Vamos agora detalhar as diferentes recomendações de segurança de acordo com as instalações do albergue:

Recepção e acolhida no albergue

  1. Comprimento sem contato físico. Deve-se evitar o comprimento com contato físico, incluindo dar a mão, tanto aos demais integrantes da equipe como aos clientes.
  2. Medidas de desinfecção. Na área de recepção e acolhida, deve ser haver solução desinfetante para as mãos e pulverizador desinfetante para calçados, mochilas, bicicletas, etc. Além disso, recomenda-se colocar tapetes desinfetantes na entrada dos estabelecimentos.
  3. Manter a distância de segurança. O albergue deve garantir a distância mínima estabelecida. Se não é possível garanti-la entre a equipe e os clientes na área da recepção, devem ser instalados elementos físicos como uma tela protetora, de fácil limpeza e desinfecção, ou então usar máscaras. Além disso, devem ser instalados de maneira visível marcadores de distância entre os clientes para evitar aglomerações e garantir a distância mínima de segurança.
  4. Reserva, check-in online e pagamentos com cartão. O guia sugere que a reserva e o check-in sejam feitos online, e o pagamento com cartão ou outros meios eletrônicos, preferencialmente contactless para evitar contatos desnecessários.
  5. Sem folhetos ou documentos impressos. Deve-se evitar qualquer elemento decorativo nas instalações dos albergues, assim como folhetos ou outro tipo de material informativo. Aconselha-se disponibilizar a informação de forma online.

Dormitórios individuais e compartilhados

  1. Gel e fronhas desinfetantes. Nos quartos, devem estar disponíveis soluções hidroalcoólicas. Também é recomendado instalar tapetes desinfetantes na entrada dos dormitórios.
  2. Distância de segurança entre camas e beliches. O albergue deverá reorganizar a disposição das camas e beliches para garantir a distância de segurança mínima, assim como assegurar que a capacidade máxima permitida seja respeitada.
  3. Roupa de cama individual. Nos quartos compartilhados, o albergue disponibilizará lençóis e cobertas ensacadas ou empacotadas. O próprio peregrino deve fazer a sua cama e deve ser orientado para que evite tocar camas ou beliches de outros clientes.

Banheiros e chuveiros de uso comum

  1. Solução desinfetante. Como no resto dos ambientes do albergue, o peregrino deverá encontrar ali um recipiente com solução desinfetante.
  2. Recipientes individuais de sabão e papel nos banheiros.
  3. Evitar o uso de tapetes ou outros elementos têxteis comuns.
  4. Uso de calçado apropriado.
  5. Controle de turnos para evitar aglomerações e respeitar a distância mínima de segurança.

Cozinha e refeitório

  1. Desinfecção da cozinha depois de cada uso. Deve-se garantir a desinfecção dos utensílios de cozinha, equipamentos (geladeiras microondas, etc) e do espaço depois de cada uso. Em caso em que não se possa garantir esta limpeza, a cozinha deverá permanecer fechada.
  2. Turnos no refeitório. Deve-se estabelecer um controle da capacidade máxima do refeitório para garantir a distância de segurança.
  3. Gel desinfetante. Como nos outros ambientes, o peregrino terá a seu dispor gel desinfetante para facilitar a correta higiene das mãos.
  4. Utensílios descartáveis. Tanto talheres como pratos e toalhas.
  5. Priorizar embalagens de dose única. Serão retiradas das mesas qualquer elemento decorativo, cardápios compartilhados e equipamentos de self-service (porta-guardanapos, paliteiros, recipientes para vinagre e azeite, etc), priorizando as embalagens de dose única descartáveis.
  6. Não é recomendado o sistema de buffet.

Áreas de uso comum

  1. Soluções desinfetantes. O albergue deve disponibilizar soluções desinfetantes nos locais de passagem e nas instalações de maior uso dos clientes.
  2. Lixeiras com acionamento não-manual. As lixeiras devem contar com uma abertura de acionamento não-manual e dispor de um saco de lixo interior.
  3. Devem ser colocados fora quaisquer produtos e equipamentos deixados pelos clientes que abandonaram albergue.
  4. Retirar folhetos, livros ou guias para garantir a higiene e as medidas de segurança. Se isso não for possível, a equipe do albergue deverá gerenciar seu uso informando ao cliente da necessidade de desinfecção de mãos antes e depois de sua consulta.
  5. Segurança no uso de máquinas de venda automática. Deverá ser disponibilizada a solução desinfetante ou o cliente deverá ser orientado a lavar as mãos antes e depois de seu uso.

Transporte de mochilas

O serviço de transporte de mochilas no caminho de Santiago continuará funcionando depois da crise da Covid-2019, aprimorando a higiene e a segurança. Para isso, os albergues deverão implementar uma série de medidas:

  1. Envio/Armazenamento. No caso em que o albergue disponha de um lugar para deixar as mochilas, esta será uma área de desinfecção intensiva e contará com soluções desinfetantes .
  2. Mochilas em sacos plásticos. O albergue deve evitar a manipulação direta das mochilas e de outros pertences dos clientes. Recomenda-se oferecer sacos plásticos ou similares aos clientes, nos quais possam depositar suas mochilas, calçados ou bastões.

Além das medidas que serão tomadas no albergue, o Paq Mochila de Correos de España vai cuidar ao máximo quanto às medidas de segurança e disponibilizará a contratação online do serviço:

  1. Higiene e desinfecção do veículo de transporte. Além das medidas que serão tomadas no albergue, os Correos de España garantirá ao usuário do seu serviço de transporte de mochilas o cumprimento de normas estritas de segurança. Assim, o carteiro encarregado da distribuição irá equipado com as medidas de proteção individual necessárias (máscaras e luvas de látex descartáveis) e contará com soluções desinfetantes para limpeza das mãos e do veículo.
  2. Contratação online do Paq Mochila. O serviço de transporte de mochilas dos Correos de España poderá ser contratado na web como tem sido feito, o que assegura o pagamento online seguro (com cartão ou PayPal). Assim, será evitado o contato desnecessário com os envelopes presentes nos albergues e o dinheiro em espécie, tal e qual estabelecido nas orientações do guia do ICTE.

Estas diretrizes e recomendações para os albergues foram elaboradas pelo comitê de técnicos constituído pelo ICTE em colaboração com a Agrupación Nacional de Hoteles y Albergues Turísticos (Agrupho), a Rede Espanholas de Albergues Juveniles (Real), S.A. Xacobeo e organizações e empresas do setor. Este guia está de acordo com a Asociación Española de Servicios de Prevención Laboral (Aespla), PRInnovación e com os sindicatos CCOO e UGT e sua coordenação esteve a cargo da secretaria de Estado de turismo, as comunidades autônomas e a FEMP.

* Versão para o Português: Andréa Prestes / Projeto Caminhos pelo Mundo

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

El comentario está siendo enviado, por favor espere.

El comentario se ha enviado, Gracias.

¡Buen Camino! Eso es lo que queremos en Correos, que los peregrinos puedan disfrutar al máximo de la experiencia del Camino y descubrir a través de nuestras postales nuevos lugares, historias, personas y experiencias sobre el Camino de Santiago.

¿Quieres recibir nuestras postales en tu correo electrónico?
¡Gracias por su suscripción!
Foreigners on the Camino
Colaboradores